O que você procura?
 
#478 Pesquisa por "" | 27 resultados em 5 páginas, em 0.03562 segundos





Canção VII  ( Luís Vaz de Camões )
Junto de um seco, fero e estéril monte, inútil e despido, calvo, informe, da natureza em tudo aborrecido, onde nem ave voa, ou fera dorme, nem rio claro corre, ou ferve fonte, nem verde ramo faz doce ruí­do; cujo nome, do vulgo introduzido, é Félix, por antí­frase infelice; o qual a Natureza situou junto a parte ...
Tipo: Poesias


VIAGEM DE UM VENCIDO  ( Augusto dos Anjos )
Noite. Cruzes na estrada. Aves com frio E enquanto eu tropeçava sobre os paus, A efígie apocalíptica do Caos Dançava no meu cérebro sombrio! O Céu estava horrivelmente preto E as árvores magríssimas lembravam Pontos de admiração que se admiravam De ver passar ali meu esqueleto! Sozinho, uivando hoffmânnicos dizer ...
Tipo: Poesias


ALMENO e AGRÁRIO, pastores  ( Luís Vaz de Camões )
Ao longo do sereno Tejo, suave e brando, num vale de altas árvores sombrio, estava o triste Almeno suspiros espalhando ao vento e doces lágrimas ao rio. No derradeiro fio o tinha a esperança que, com doces enganos, lhe sustentara a vida tantos anos ní¼a amorosa e branda confiança; que, quem tanto queria, parece ...
Tipo: Poesias


Canção X  ( Luís Vaz de Camões )
Vinde cá, meu tão certo secretário dos queixumes que sempre ando fazendo, papel, com que a pena desafogo! As sem-razíµes digamos que, vivendo, me faz o inexorável e contrário Destino, surdo a lágrimas e a rogo. Deitemos água pouca em muito fogo; acenda-se com gritos um tormento que a todas as memórias seja estra ...
Tipo: Poesias


Canção IV  ( Luís Vaz de Camões )
A instabilidade da Fortuna, os enganos suaves de Amor cego, suaves, se duraram longamente , direi, por dar a vida algum sossego; que pois a grave pena me importuna, importune meu canto a toda a gente. E se o passado bem co mal presente me endurece a voz no peito frio, o grande desvario dará de minha pena sinal c ...
Tipo: Poesias


Canto VI (Parte II)  ( Luís Vaz de Camões )
51 «Já chega a Portugal o mensageiro, Toda a corte alvoroça a novidade; Quisera o Rei sublime ser primeiro, Mas não lho sofre a régia Majestade. Qualquer dos cortesãos aventureiro Deseja ser, com férvida vontade, E só fica por bem-aventurado Quem já vem pelo Duque nomeado. 52 «Lá na leal cidade, donde teve ...
Tipo: Poesias



<< Anterior 1 2 3 45Próxima >>





 


Home | Política de Privacidade | Termos de Uso |    Copyright ©2018 Amo Poesias www.amopoesias.com