O que você procura?
 
#2214 Pesquisa por "" | 62 resultados em 11 páginas, em 0.06803 segundos





Vinho negro  ( Cruz e Souza )
O vinho negro do imortal pecado Envenenou nossas humanas veias Como fascinações de atras sereias E um inferno sinistro e perfumado. O sangue canta, o sol maravilhado Do nosso corpo, em ondas fartas, cheias. como que quer rasgar essas cadeias Em que a carne o retém acorrentado. E o sangue chama o vinho negro e ...
Tipo: Poesias


Canto V (Parte I)  ( Luís Vaz de Camões )
1 «Estas sentenças tais o velho honrado Vociferando estava, quando abrimos As asas ao sereno e sossegado Vento, e do porto amado nos partimos. E, como é já no mar costume usado, A vela desfraldando, o céu ferimos, Dizendo Boa viagem!; logo o vento Nos troncos fez o usado movimento. 2 «Entrava neste tempo o e ...
Tipo: Poesias


A Tempestade  ( Gonçalves Dias )
Um raio Fulgura No espaço Esparso, De luz; E trêmulo E puro Se aviva, S’esquiva Rutila, Seduz! Vem a aurora Pressurosa, Cor de rosa, Que se cora De carmim; A seus raios As estrelas, Que eram belas, Tem desmaios, Já por fim. O sol desponta Lá no horizonte, Doirando a fonte, E o prado e o monte E o ...
Tipo: Poesias


Canto X (Parte I)  ( Luís Vaz de Camões )
1 Mas já o claro amador da Larisseia Adúltera inclinava os animais Lá pera o grande lago que rodeia Temistitão, nos fins Ocidentais. O grande ardor do Sol, Favónio enfreia Co sopro que, nos tanques naturais, Encrespa a água serena, e despertava Os lí­rios e jasmins, que a calma agrava, 2 Quando as fermosas Nin ...
Tipo: Poesias


Confidência  ( Castro Alves )
Maldição sobre vós, doutores da lei! Maldição sobre vós, hipócritas! Assemelhais-vos aos sepulcros brancos por fora; o exterior parece formoso, mas o interior está cheio de ossos e podridão. Evang. de S. MATEUS, cap. XXII. Quando, Maria, vês de minha fronte Negra idéia voando no horizonte, as asas desdobrar, ...
Tipo: Poesias


Presa do ódio  ( Cruz e Souza )
Da tualma na funda galeria Descendo às vezes, eu às vezes sinto Que como o mais feroz lobo faminto Teu ódio baixo de alcatéia espia. Do Desespero a noite cava e fria, De boêmias vis o pérfido absinto Pôs no teu ser um negro labirinto, Desencadeou sinistra ventania. Desencadeou a ventania rouca, surda, tremen ...
Tipo: Poesias



<< Anterior 1 2 3 4...11Próxima >>





 


Home | Política de Privacidade | Termos de Uso |    Copyright ©2017 Amo Poesias www.amopoesias.com