O que você procura?
 
#419 Pesquisa por "" | 7 resultados em 2 páginas, em 0.02712 segundos





Canto I (Parte II)  ( Luís Vaz de Camões )
54 Esta Ilha pequena que habitamos í‰ em toda esta terra certa escala De todos os que as ondas navegamos, De Quí­loa, de Mombaça e de Sofala. E, por ser necessária, procuramos, Como próprios da terra, de habitá-la; E, por que tudo enfim vos notifique, Chama-se a pequena Ilha Moçambique. 55 E, já que de tão longe ...
Tipo: Poesias


Contrariedades  ( Cesário Verde )
Eu hoje estou cruel, frenético, exigente; Nem posso tolerar os livros mais bizarros. Incrível! Já fumei três maços de cigarros Consecutivamente. Dói-me a cabeça. Abafo uns desesperos mudos Tanta depravação nos usos, nos costumes! Amo, insensatamente, os ácidos, os gumes E os ângulos agudos. Sentei-me à secretári ...
Tipo: Poesias


Consideração do poema  ( Carlos Drummond de Andrade )
Não rimarei a palavra sono com a incorrespondente palavra outono. Rimarei com a palavra carne ou qualquer outra, que todas me convêm. As palavras não nascem amarradas, elas saltam, se beijam, se dissolvem, no céu livre por vezes um desenho, são puras, largas, autênticas, indevassáveis. Uma pedra no meio do caminho ...
Tipo: Poesias


Hino nacional  ( Carlos Drummond de Andrade )
Precisamos descobrir o Brasil! Escondido atrás as florestas, com a água dos rios no meio, o Brasil está dormindo, coitado. Precisamos colonizar o Brasil. O que faremos importando francesas muito louras, de pele macia, alemãs gordas, russas nostálgicas para garçonetes dos restaurantes noturnos. E virão sírias fide ...
Tipo: Poesias


Este Quarto  ( Mário Quintana )
Este quarto de enfermo, tão deserto de tudo, pois nem livros eu já leio e a própria vida eu a deixei no meio como um romance que ficasse aberto que me importa esse quarto, em que desperto como se despertasse em quarto alheio? Eu olho é o céu! imensamente perto, o céu que me descansa como um seio. ...
Tipo: Poesias


Resíduo  ( Carlos Drummond de Andrade )
De tudo fica um pouco. Do meu medo. Do teu asco. Dos gritos gagos. Da rosa Ficou um pouco. Fica um pouco de luz captada no chapéu. Nos olhos do rufião de ternura fica um pouco (muito pouco). Pouco ficou deste pó De que teu branco sapato se cobriu. Ficaram poucas roupas, poucos véus rotos ...
Tipo: Poesias



<< Anterior 1 2Próxima >>





 


Home | Política de Privacidade | Termos de Uso |    Copyright ©2018 Amo Poesias www.amopoesias.com