O que você procura?
 
#2258 Pesquisa por "" | 19 resultados em 4 páginas, em 0.05181 segundos





Canto X (Parte I)  ( Luís Vaz de Camões )
1 Mas já o claro amador da Larisseia Adúltera inclinava os animais Lá pera o grande lago que rodeia Temistitão, nos fins Ocidentais. O grande ardor do Sol, Favónio enfreia Co sopro que, nos tanques naturais, Encrespa a água serena, e despertava Os lí­rios e jasmins, que a calma agrava, 2 Quando as fermosas Nin ...
Tipo: Poesias


Canto III (Parte II)  ( Luís Vaz de Camões )
51 «Ali se vêm encontros temerosos, Pera se desfazer hí¼a alta serra, E os animais correndo furiosos Que Neptuno amostrou, ferindo a terra. Golpes se dão medonhos e forçosos; Por toda a parte andava acesa a guerra. Mas o de Luso arnês, couraça e malha, Rompe, corta, desfaz, abola e talha. 52 «Cabeças pelo camp ...
Tipo: Poesias


APÓSTROFE À CARNE  ( Augusto dos Anjos )
Quando eu pego nas carnes de meu rosto, Pressinto o fim da orgânica batalha - Olhos que o húmus necrófago estraçalha, Diafragmas, decompondo-se, ao sol-posto E o Homem – negro e heteróclito composto, Onde a alva flama psíquica trabalha, Desagrega-se e deixa na mortalha O tato, a vista, o ouvido, o olfato e o gosto! ...
Tipo: Poesias


Canto VIII (Parte I)  ( Luís Vaz de Camões )
1 Na primeira figura se detinha O Catual, que vira estar pintada, Que por divisa um ramo na mão tinha, A barba branca, longa e penteada. Quem era e por que causa lhe convinha A divisa que tem na mão tomada? Paulo responde, cuja voz discreta O Mauritano sábio lhe interpreta 2 «Estas figuras todas que aparecem, ...
Tipo: Poesias


Canto VI (Parte II)  ( Luís Vaz de Camões )
51 «Já chega a Portugal o mensageiro, Toda a corte alvoroça a novidade; Quisera o Rei sublime ser primeiro, Mas não lho sofre a régia Majestade. Qualquer dos cortesãos aventureiro Deseja ser, com férvida vontade, E só fica por bem-aventurado Quem já vem pelo Duque nomeado. 52 «Lá na leal cidade, donde teve ...
Tipo: Poesias


Canto IV (Parte I)  ( Luís Vaz de Camões )
1 «Despois de procelosa tempestade, Nocturna sombra e sibilante vento, Traz a manhã serena, claridade, Esperança de porto e salvamento; Aparta o Sol a negra escuridade, Removendo o temor ao pensamento Assi no Reino forte aconteceu Despois que o Rei Fernando faleceu. 2 «Porque, se muito os nossos desejaram Que ...
Tipo: Poesias



<< Anterior 1 2 34Próxima >>





 


Home | Política de Privacidade | Termos de Uso |    Copyright ©2017 Amo Poesias www.amopoesias.com