O que você procura?
 
#547 Pesquisa por "" | 75 resultados em 13 páginas, em 0.03748 segundos





A Grande Sede  ( Cruz e Souza )
Se tesn sede de Paz e dEsperança, Se estás cego de Dor e de Pecado, Valha-te o Amor, ó grande abandonado, Sacia a sede com amor, descansa. Ah! volta-te a esta zona fresca e mansa Do Amor e ficarás desafogado, Hás de ver tudo claro, iluminado Da luz que uma alma que tem fé alcança. O coração que é puro e que é ...
Tipo: Poesias


A Perfeição  ( Cruz e Souza )
A Perfeição é a celeste ciência Da cristalização de almos encantos, De abandonar os mórbidos quebrantos E viver de uma oculta florescência. Nossalma fica da clarividência Dos astros e dos anjos e dos santos, Fica lavada na lustral dos prantos, É dos prantos divina e pura essência. Nossalma fica como o ser que ...
Tipo: Poesias


O Coração  ( Cruz e Souza )
O coração é a sagrada pira Onde o mistério do sentir flameja. A vida da emoção ele a deseja como a harmonia as cordas de uma lira. Um anjo meigo e cândido suspira No coração e o purifica e beija E o que ele, o coração, aspira, almeja É o sonho que de lágrimas delira. É sempre sonho e também é piedade, Doçur ...
Tipo: Poesias


Silêncios  ( Cruz e Souza )
Largos Silêncios interpretativos, Adoçados por funda nostalgia, Balada de consolo e simpatia Que os sentimentos meus torna cativos. Harmonia de doces lenitivos, Sombra, segredo, lágrima, harmonia Da alma serena, da alma fugidia Nos seus vagos espasmos sugestivos. Ó Silêncios! ó cândidos desmaios, Vácuos fecu ...
Tipo: Poesias


Grande Amor  ( Cruz e Souza )
Grande amor, grande amor, grande mistério Que as nossas almas trêmulas enlaça Céu que nos beija, céu que nos abraça Num abismo de luz profundo e sério. Eterno espasmo de um desejo etéreo E bálsamo dos bálsamos da graça, Chama secreta que nas almas passa E deixa nelas um clarão sidéreo. Cântico de anjos e de a ...
Tipo: Poesias


Flores Velhas  ( Cesário Verde )
Fui ontem visitar o jardinzinho agreste, Aonde tanta vez a lua nos beijou, E em tudo vi sorrir o amor que tu me deste, Soberba como um sol, serena como um vôo. Em tudo cintilava o límpido poema Com ósculos rimado às luzes dos planetas A abelha inda zumbia em torno da alfazema; E ondulava o matiz das leves borboletas. ...
Tipo: Poesias



<< Anterior 1 2 3 4...13Próxima >>





 


Home | Política de Privacidade | Termos de Uso |    Copyright ©2018 Amo Poesias www.amopoesias.com