O que você procura?
 
#23313 Pesquisa por "TEXTO FALANDO DE SOLIDARIEDADE" | 15 resultados em 3 páginas, em 0.03008 segundos





Canto II (Parte II)  ( Luís Vaz de Camões )
57 Já pelo ar o Cileneu voava; Com as asas nos pés í  Terra dece; Sua vara fatal na mão levava, Com que os olhos cansados adormece. Com esta, as tristes almas revocava Do Inferno, e o vento lhe obedece. Na cabeça o galero costumado. E destarte a Melinde foi chegado. 58 Consigo a Fama leva, por que diga Do Lusit ...
Tipo: Poesias


Canto IV (Parte I)  ( Luís Vaz de Camões )
1 «Despois de procelosa tempestade, Nocturna sombra e sibilante vento, Traz a manhã serena, claridade, Esperança de porto e salvamento; Aparta o Sol a negra escuridade, Removendo o temor ao pensamento Assi no Reino forte aconteceu Despois que o Rei Fernando faleceu. 2 «Porque, se muito os nossos desejaram Que ...
Tipo: Poesias


A triste partida  ( Patativa do Assaré )
Setembro passou, com oitubro e novembro Já tamo em dezembro. Meu Deus, que é de nós? Assim fala o pobre do seco Nordeste, Com medo da peste, Da fome feroz. A treze do mês ele fez a experiença, Perdeu sua crença Nas pedra de sá. Mas ní´ta experiença com gosto se agarra, Pensando na barra Do alegre Natá. Rompe ...
Tipo: Poesias


As doces cantilenas que cantavam os semicapros deuses, amadores das Napeias, que os montes habitavam, cantando escreverei; que, se os amores aos silvestres deuses maltrataram, já ficam desculpados os pastores. Vós, Senhor Dom António, aonde acharam o claro Apolo e Marte um ser perfeito, em que suas altas men ...
Tipo: Poesias


ALMENO e AGRÁRIO, pastores  ( Luís Vaz de Camões )
Ao longo do sereno Tejo, suave e brando, num vale de altas árvores sombrio, estava o triste Almeno suspiros espalhando ao vento e doces lágrimas ao rio. No derradeiro fio o tinha a esperança que, com doces enganos, lhe sustentara a vida tantos anos ní¼a amorosa e branda confiança; que, quem tanto queria, parece ...
Tipo: Poesias


Canto VII (Parte II)  ( Luís Vaz de Camões )
45 Destarte o Malabar, destarte o Luso, Caminhavam lá pera onde o Rei o espera. Os outros Portugueses vão ao uso Que infantaria segue, esquadra fera. O povo que concorre vai confuso De ver a gente estranha, e bem quisera Perguntar; mas, no tempo já passado, Na Torre de Babel lhe foi vedado. 46 O Gama e o Catua ...
Tipo: Poesias



<< Anterior 1 23Próxima >>



poesias amor   poesias infantis antigas   olavo bilac o amor que sofre   poemas magoa   a morte pai   quero voce   poesias willian shakespeare sobre soliedariedade   no seu olhar que vejo meu amor   o destino   a morte   poesias clarice lispector   luz   frase sobre amizade oscar wilde   deixa olhar mundo   amor odio   poema castro alves tristeza   mais poesias clarice lispector   poesia sobre avos   poesias amor poetas brasileiros   poesia familia   olavo bilac poesias   albert ainsten   poesias que falam sobre personalidade   frases curtas amor   desconhecido   frase que mentira advogado   frases sobre criminalidade   poesias autores famosos   frases eu te amo   poemas que fale palavras   poesias clarice lipector   os homens perdem saude para juntar dinheiro   pessoas especiais   frases p pais   liberdade escolha   


 


Home | Política de Privacidade | Termos de Uso |    Copyright ©2015 Amo Poesias www.amopoesias.com